3 Hábitos que Contribuem para uma Boa Visão

A visão é definida como um dos cinco sentidos: Mais do que a visão propriamente dita, nossos olhos são responsáveis por nos orientar no mundo. Já pensou como tudo o que você faz seria mais difícil se você tivesse sua visão comprometida?

Por essa razão, é sempre importante ter uma atenção especial com sua visão. Listamos então três lições bem práticas de como cuidar bem dos seus olhos.

Conheça as dicas dos especialistas

  1. Umidifique Sempre

A baixa umidade do ar traz dias mais secos e com isso, a lubrificação do nosso olho fica comprometida. Para evitar o ressecamento da superfície ocular, é essencial que umidifiquemos o ambiente a nossa volta. Uma sugestão é o uso de aparelhos umidificador, manter próximo de você um ambiente com água, ou até mesmo usar colírios de lágrima artificial.

  1. Pisque Mais

Um dos hábitos mais naturais do ser humano e muitas vezes feito de forma involuntária: Piscar os Olhos. No nosso cotidiano passamos muito tempo concentrados em atividade e/ou expostos a telas como celular, televisão e computador e com isso, piscamos muito menos. Ao piscar, lubrificamos a superfície ocular e impedimos a entrada de partículas de poeira dispersas na atmosfera.

  1. Evite a todo Custo

Procure ser mais cuidadoso e vigilante com o que se aproxima perto da região dos olhos. Não leve dedos ou mãos sujas/engorduras, pois você pode estar levando bactérias e pequenas partículas que podem lesionar os olhos; crie o hábito de lavar as mãos, sobretudo se você for usuário de lentes de contato. Quando sentir irritações, evite coçar excessivamente as pálpebras. Procure não levar objetos pontiagudos próximo a região dos olhos; prefira produtos de higiene que tem ph neutro; retire a maquiagem antes de dormir e de forma cuidadosa e por fim, evite usar óculos de sol sem filtro UV.

Evitando Acidentes Oculares em Casa

No nosso dia a dia, é comum que participemos de pequenos acidentes domésticos e/ou no ambiente de trabalho: Um tropeço em um degrau que passou por despercebido, um corte com papel ou a tão recorrente esbarrada do dedo nas quinas dos móveis.

Se os adultos se envolvem em acidentes, imagine então as crianças: segundo aponta o Ministério da Saúde, cerca de 110 mil crianças são hospitalizadas ao ano em decorrência desses pequenos acidentes domésticos; dentro dessa estatística, acidentes que são prejudiciais aos olhos são os mais recorrentes.

Seja por desatenção dos pais ou adultos e/ou responsáveis, ou pela curiosidade nata dos pequenos, os acidentes acontecem e, no caso de órgãos tão delicados como os nossos olhos, os danos e sequelas podem ser irreversíveis. Felizmente, podemos adotar medidas simples para diminuir a recorrência desses acidentes.

Conheça as dicas dos especialistas

  • Evite que as crianças manuseiem brinquedos e objetos pontiagudos como faca e tesouras. Esses objetos trazem em si o risco de perfuração ocular.
  • Observe se as crianças têm costume de coçar os olhos. Quando muito constante, esse hábito pode trazer grande irritabilidade aos olhos podendo gerar infecções.
  • Mantenha objetos que oferecem risco fora do alcance das crianças, sejam produtos de limpeza, panela com líquidos quentes e medicamentos. O impacto físico pode ser danoso, bem como muitos desses produtos podem causar irritação se tiverem contato direto com os olhos
  • Cuidados com as plantas dentro de casa: As espinhosas e pontiagudas podem ferir os olhos, e as que tem soltam líquido leitoso podem causar irritação.
  • Procure sempre manter o ambiente limpo e livre de poeira, uma vez que as partículas de poeira podem deixar os olhos ressecados
  • Ao comprar produtos de higiene, procure aqueles de ph neutro, que causam menos irritação aos olhos.

 

Em caso de dúvidas ou aparecimento de sintomas como vermelhidão e inchaço, consulte o oftalmologista e, para os casos de contato direto com produtos que causam irritação ou grandes impactos, não hesite em procurar o auxílio de um profissional no pronto socorro mais próximo.

7 Doenças Oculares que podem ter Diagnóstico Precoce

Você é daquele que só procura o oftalmologista quando percebe algum problema de visão? Nossos olhos são parte essencial da nossa saúde pois por eles nos orientamos pelo mundo ao nosso redor. É importante de tempos em tempos fazer um check-up oftalmológico para conferir se não há nada de anormal na nossa visão ainda que a doença apenas esteja se manifestando de forma tímida.

Listamos então algumas doenças que podem ser diagnosticadas precocemente e assim, uma vez descobertas, o tratamento pode iniciar antes que se agravem ou evoluam para um quadro de baixa da visão. Conheça as doenças a seguir:

Ametropia: É como são chamados os erros refratários da visão, ou seja, a imagem é interpretada pelo cérebro de forma distorcida. Entre elas a Miopia (problema para enxergar longe), Hipermetropia (problemas para enxergar de perto) e Astigmatismo (visão distorcida de longe e perto).  Com o uso de óculos, lentes e em alguns casos, cirurgia a laser, esses problemas podem ser corrigidos.

Catarata: Doença que acomete o cristalino, parte do nosso olho que é mais transparente. Na catarata o cristalino começa a ficar opaco, comprometendo assim a visão. Doença que tem ocorrência maior em idosos após os 60 anos, mas é possível que a pessoa já nasça com a condição. O tratamento é cirúrgico.

Estrabismo: Popularmente chamados de vesgo, nessa patologia os olhos não olham exatamente na mesma direção ao mesmo tempo. A criança pode nascer estrábica, mas, o quadro também pode estar relacionado com alguma doença ocular, como tumor e glaucoma congênito. Há também a chance de aparecer após os seis meses de vida. O recomendado é que ao notar que os olhos da criança estão apresentando sinais de desvio, procurar o oftalmologista e iniciar o tratamento corretivo, antes que o estrabismo cause maiores complicações para além do incomodo estético.
Glaucoma: Quadro onde há aumento da pressão nos olhos, que, se não for tratado, pode levar à perda gradual e irreversível da visão. O grupo de risco da doença são os hipertensos, pessoas acima de 40 anos, diabéticos e aqueles que possuem histórico familiar. Há também maior incidência em negros e aqueles que fizeram longo tratamento com esteroides ou tem miopia diagnosticada.
Leucocoria: Através do exame do reflexo vermelho é possível identificar o problema de reflexo branco da pupila. Em crianças maiores, há a possibilidade de perceber o reflexo branco em fotos comuns. Pode ser sinal de tumor ou de retinopatia da prematuridade (alteração no crescimento da retina), por exemplo. O tratamento depende da avaliação do oftalmologista e pode ser clínico, com laser ou cirurgia.
Olho saltado (Exoftalmia e Proptose):  O olhos saltado para fora pode ter diversas razõe, entre os mais comuns há estão doenças relacionadas à tireóide e tumores. Se notar qualquer assimetria no tamanho e distância dos olhos, procure um médico. O tratamento consiste em solucionar os problemas que causaram os olhos saltados. Em alguns casos, há a necessidade de cirurgia para corrigir também as suas posições.

Olho seco: Esse quadro pode ser resultante das ametropias ou do olho saltado, e nada mais é do que o ressecamento dos olhos, levando à vermelhidão e irritação crônica. O tratamento é baseado, geralmente, no uso de lubrificantes oculares, como colírios e lágrimas artificias. Pode parecer ser um problema simples, mas que se não tratado pode levar à conjuntivite (inflamação na conjuntiva) e ceratite (inflamação da córnea).

Já deu para perceber a importância dos exames oftalmológicos. Crie então o hábito de fazer o check-up oftalmológica uma vez ao ano e, acima dos 40 anos de idade, de seis em seis meses. Acompanhe também a saúde ocular das crianças logo na primeira infância, não deixando de fazer de fazer o teste do olhinho e quando estiverem em idade escolar, procure entender se a criança tem problemas de enxergar o que está escrito no quadro e/ou com a leitura do material.

Garanta a saúde ocular fazendo um check-up oftalmológico anual

 

Muitas pessoas tem o costume de fazer um check-up geral, mas acabam se esquecendo dos olhos. Você sabia que o check-up oftalmológico também é muito importante? Através dele são realizados diversos exames para analisar as condições visuais da pessoa, com isso caso a pessoa tenha alguma doença ocular ela será detectada logo no início.

Independente da faixa etária é fundamental a realização de consultas periódicas ao oftalmologista, pois alguns problemas visuais ocorrem com maior frequência em determinada fase da vida.

Cuidado oftalmológico nos primeiros anos de vida

Desde a gestação a mãe precisa se prevenir de algumas doenças, como rubéola e a toxoplasmose, para que não interfiram na visão do bebê. Após o nascimento, é necessária a realização da primeira avaliação oftalmológica, o teste do olhinho. Através dele é possível detectar algumas doenças, como catarata congênita, glaucoma congênito e retinoblastoma.

Problemas visuais durante a vida escolar

Durante a infância que ocorre o desenvolvimento da visão, atingindo a sua maturidade por volta dos cinco anos de idade. É fundamental o acompanhamento oftalmológico nessa fase, pois alguns problemas como estrabismo, ambliopia e ptose se desenvolvem nessa faixa etária, e quando diagnosticados no princípio são reversíveis.

Puberdade e ceratocone

Entre os 13 e 20 anos de idade a probabilidade do surgimento do Ceratocone é maior, uma doença que provoca irregularidade da córnea.

Além do ceratocone, o uso excessivo de aparelhos eletrônicos podem causar danos na visão, como Síndrome da Visão do Computador e o agravamento da miopia e da hipermetropia.

Surgimento da presbiopia na fase adulta

Após os 40 anos é essencial a medição anual da pressão intraocular, principalmente em caso de histórico familiar de glaucoma. Também é importante a avaliação de fundo de olho para identificar danos causados pela diabetes a visão.

A presbiopia, mais conhecida como “vista cansada”, também se manifesta nessa faixa etária. Ela é caracterizada pela perda da capacidade de focar em objetos de perto.

Cuidado com a catarata e a DMRI na terceira idade

Como o nosso corpo, os olhos também envelhecem com o passar dos anos, e isso acarreta em algumas alterações visuais, ocasionando esforço visual, baixa qualidade da visão e dores de cabeça.

Quando chegamos à terceira idade temos maior chance de desenvolver algumas doenças como catarata, que causa a opacificação do cristalino, e a DMRI, uma doença que afeta a área central da retina.

Check-up oftalmológico é fundamental em qualquer faixa etária.

Com isso, podemos perceber a importância da consulta oftalmológica em qualquer fase da vida. Faça um check-up oftalmológico anualmente e preserve a sua saúde ocular!

Câncer nos olhos

 

Em adultos a maioria dos tumores oculares tem origem em outras partes do corpo e se espalham pelo organismo por meio da corrente sanguínea. Quando chegam a região dos olhos as células se instalam e proliferam.

Há duas formas mais comum de tumores primários nos olhos: o Melanoma e o Retinoblastoma. Os dois podem acarretar na perda total da visão e se não tratado, pode levar a morte.

 

Melanoma

Comum em adultos entre 45 e 60 anos, consiste em um tumor maligno que pode atingir desde a pálpebra ate a camada interna responsável pela circulação de sangue e nutrição da retina. Geralmente não apresenta sintomas nas fases iniciais, seu diagnostico é feito através de exames que mapeiam a retina e a ultrassonografia.  Mesmo não sendo visível, o melanoma pode apresentar sintomas de flashes luminosos e acarretar a perda parcial ou total da visão.

 

Retinoblastoma

Se manifesta principalmente em crianças desde o nascimento até os cinco anos de idade. Tem origem a partir das células de retina, que é a membrana do olho sensível à luz. O principal sinal da doença é a mancha branca que aparece na pupila ao tirar uma foto com flash.

A obrigatoriedade do teste do olhinho ainda na maternidade trouxe grande avanço no diagnostico precoce da doença.

Dentre os tratamentos está a terapia local com laser, e em casos de tumores maiores geralmente são tratados a partir da braquiterapia, quimioterapia e ate mesmo a remoção do globo ocular.