7 Doenças Oculares que podem ter Diagnóstico Precoce

Você é daquele que só procura o oftalmologista quando percebe algum problema de visão? Nossos olhos são parte essencial da nossa saúde pois por eles nos orientamos pelo mundo ao nosso redor. É importante de tempos em tempos fazer um check-up oftalmológico para conferir se não há nada de anormal na nossa visão ainda que a doença apenas esteja se manifestando de forma tímida.

Listamos então algumas doenças que podem ser diagnosticadas precocemente e assim, uma vez descobertas, o tratamento pode iniciar antes que se agravem ou evoluam para um quadro de baixa da visão. Conheça as doenças a seguir:

Ametropia: É como são chamados os erros refratários da visão, ou seja, a imagem é interpretada pelo cérebro de forma distorcida. Entre elas a Miopia (problema para enxergar longe), Hipermetropia (problemas para enxergar de perto) e Astigmatismo (visão distorcida de longe e perto).  Com o uso de óculos, lentes e em alguns casos, cirurgia a laser, esses problemas podem ser corrigidos.

Catarata: Doença que acomete o cristalino, parte do nosso olho que é mais transparente. Na catarata o cristalino começa a ficar opaco, comprometendo assim a visão. Doença que tem ocorrência maior em idosos após os 60 anos, mas é possível que a pessoa já nasça com a condição. O tratamento é cirúrgico.

Estrabismo: Popularmente chamados de vesgo, nessa patologia os olhos não olham exatamente na mesma direção ao mesmo tempo. A criança pode nascer estrábica, mas, o quadro também pode estar relacionado com alguma doença ocular, como tumor e glaucoma congênito. Há também a chance de aparecer após os seis meses de vida. O recomendado é que ao notar que os olhos da criança estão apresentando sinais de desvio, procurar o oftalmologista e iniciar o tratamento corretivo, antes que o estrabismo cause maiores complicações para além do incomodo estético.
Glaucoma: Quadro onde há aumento da pressão nos olhos, que, se não for tratado, pode levar à perda gradual e irreversível da visão. O grupo de risco da doença são os hipertensos, pessoas acima de 40 anos, diabéticos e aqueles que possuem histórico familiar. Há também maior incidência em negros e aqueles que fizeram longo tratamento com esteroides ou tem miopia diagnosticada.
Leucocoria: Através do exame do reflexo vermelho é possível identificar o problema de reflexo branco da pupila. Em crianças maiores, há a possibilidade de perceber o reflexo branco em fotos comuns. Pode ser sinal de tumor ou de retinopatia da prematuridade (alteração no crescimento da retina), por exemplo. O tratamento depende da avaliação do oftalmologista e pode ser clínico, com laser ou cirurgia.
Olho saltado (Exoftalmia e Proptose):  O olhos saltado para fora pode ter diversas razõe, entre os mais comuns há estão doenças relacionadas à tireóide e tumores. Se notar qualquer assimetria no tamanho e distância dos olhos, procure um médico. O tratamento consiste em solucionar os problemas que causaram os olhos saltados. Em alguns casos, há a necessidade de cirurgia para corrigir também as suas posições.

Olho seco: Esse quadro pode ser resultante das ametropias ou do olho saltado, e nada mais é do que o ressecamento dos olhos, levando à vermelhidão e irritação crônica. O tratamento é baseado, geralmente, no uso de lubrificantes oculares, como colírios e lágrimas artificias. Pode parecer ser um problema simples, mas que se não tratado pode levar à conjuntivite (inflamação na conjuntiva) e ceratite (inflamação da córnea).

Já deu para perceber a importância dos exames oftalmológicos. Crie então o hábito de fazer o check-up oftalmológica uma vez ao ano e, acima dos 40 anos de idade, de seis em seis meses. Acompanhe também a saúde ocular das crianças logo na primeira infância, não deixando de fazer de fazer o teste do olhinho e quando estiverem em idade escolar, procure entender se a criança tem problemas de enxergar o que está escrito no quadro e/ou com a leitura do material.

Estereopsia e filme 3D

Você sabia que nem todo mundo consegue enxergar imagens tridimensionais? Sim, a tecnologia dos filmes 3D não é algo que pode ser apreciado por todos.

Mas para entender melhor isso, vamos começar explicando como os olhos captam as imagens 3D. Temos uma visão binocular, que é a junção da visão do olho esquerdo e do olho direito. Esse tipo de visão nos gera várias vantagens, se, por exemplo, temos um olho com problemas sérios que dificulte a nossa visão, você continuará enxergando normalmente, pois ele será menos requisitado e o outro olho irá compensá-lo.

Devido a nossa visão binocular que temos a noção de profundidade, isso se chama estereopsia. Essa função é feita em nosso cérebro, que pega a visão do olho esquerdo e do direito e a transforma em uma só, com profundidade. Dessa forma, em um filme 3D nos é enviado uma imagem diferente para cada olho, como podemos perceber com os óculos de lente ciano-magenta, o que faz com que cada olho seja responsável por captar partes predeterminadas da imagem. Quando nosso cérebro faz a junção dessas partes é criada uma imagem tridimensional.

Portanto se a pessoa tem dificuldade de enxergar em um dos olhos, ou se os olhos não trabalham juntos, ela não conseguirá captar a imagem por inteiro e o cérebro não conseguirá gerar uma imagem 3D. Pessoas estrábicas ou com ambliopia, olho vago ou preguiçoso, são aqueles que possuem maior tendência a desenvolver esse problema.  O fato curioso é que mesmo após a cirurgia de correção de estrabismo eles não conseguem captar imagens 3D, isso ocorre pois os olhos não trabalham em conjunto. Nesses casos há uma solução, é possível fazer fisioterapia de visão, que são exercícios realizado com os olhos para que eles captem as imagens de forma binocular.

Problemas de visão, seu filho tem?

url-41

A grande questão do diagnóstico de problemas oculares na infância é que a criança às vezes nem se dá conta do problema. Elas acreditam que o mundo seja da forma como elas enxergam, mesmo se for “esquisito”, e isso impacta mais tarde, no rendimento escolar. As crianças que não enxergam direito mostram pouco interesse nas aulas, e tem dificuldades de se concentrar.

Os pais devem ficar atentos à saúde ocular dos filhos até mesmo antes do período de alfabetização. Ainda no berçário pode ser realizado o exame de reflexo vermelho, que identifica alterações como catarata congênita e tumores oculares. É importante observar sintomas de estrabismo, que são diagnosticados rapidamente e tratados com facilidade.

Você sabia?

Uma a cada 20 crianças com idade pré-escolar sofre de um distúrbio de visão. Confira os sintomas aos quais os pais devem ficar atentos.

 

  1. Dores de cabeça
  2. Sentar-se perto da TV, monitor, apertar os olhos para ler ou coçá-los com insistência.
  3. Lacrimejar excessivamente durante o dia
  4. Ter dificuldade na hora de ler
  5. Demonstrar sensibilidade à luz ou tampar um olho com a mão

 

 

Portanto, não deixe de levar os seus filhos no oftalmologista. A saúde ocular é muito importante!

 

Gostou? Compartilhe essa informação.

 

Equipe Hospital de Olhos Rui Marinho.

Estrabismo Infantil e Adulto

O que é Estrabismo?

O estrabismo é um desalinhamento dos olhos, em que cada um dos órgãos acaba apontando para uma direção diferente. Apesar de ser uma doença que acomete aproximadamente 4% das crianças, pode também surgir na vida adulta.

O principal sinal do estrabismo é o desvio de um dos olhos, causando um olhar que não fi xa objetos a sua frente. Esse desvio poderá ser constante e sempre percebido, ou ser intermitente,

alterando períodos de alinhamento normal dos olhos e períodos com olhos desviados.

Estrabismo 01

ESTRABISMO INFANTIL

 

Os olhos devem focalizar uma imagem nítida sob a retina e transmiti-la ao cérebro. Se ambos

estão fixando o mesmo ponto, a área visual do cérebro funde as duas imagens em uma única,

tridimensional. Essa ação desenvolve a visão em profundidade e a visão tridimensional. Quando um dos olhos fica estrábico, duas imagens diferentes são enviadas ao cérebro. Nas crianças com pouca idade, o cérebro aprende a ignorar a imagem do olho desviado, passando a receber somente a imagem do olho não desviado ou do olho de melhor visão. Ou seja, o estrabismo provoca a perda de visão tridimensional na criança. O paralelismo dos olhos durante a infância permite o desenvolvimento de uma boa visão em cada olho.

 

O estrabismo na infância, se não for tratado precocemente, pode provocar uma baixa visual ou o aparecimento da ambliopia, que acomete aproximadamente 50% das crianças estrábicas. Inicia-se quando o cérebro reconhece apenas a imagem do olho de melhor visão e ignora a imagem formada pela olho amblíope, que apresenta o estrabismo. O tratamento faz-se com a oclusão do olho de menor visão com a finalidade de melhorar a visão do olho desviado. Se a ambliopia for detectada nos primeiros anos de vida, o tratamento tem bom índice de sucesso. Entretanto, se o tratamento é iniciado mais tarde, a ambliopia e a baixa visual poderão ser definitivas.

 

PREVENÇÃO

Uma conduta simples e eficaz é sempre levar a criança ao oftalmologista, desde os primeiros meses de vida.

 

ESTRABISMO ADULTO

Aproximadamente quatro em cada 100 adultos têm estrabismo. Quando o estrabismo aparece

na idade adulta, pode ser um indício de outra doença no organismo, como: hemorragia cerebral, traumatismos, tumores, doenças musculares, problemas de tireoide, pressão alta e paralisia dos olhos por causa do diabetes.

Dependendo da causa do estrabismo diagnosticada pelo oftalmologista no paciente adulto, o tratamento pode envolver a prescrição de óculos e/ou a cirurgia dos músculos que fazem a movimentação do globo ocular.

 

Se gostou do nosso conteúdo, compartilhe!
Informação é tudo!
Equipe Hospital de Olhos Rui Marinho.