10 alimentos bons para os olhos

Você sabe quais alimentos são bons para os olhos?

Nossa alimentação precisa ser mais do que bonita e saborosa. Ela precisa ser rica em diferentes vitaminas e minerais que são fundamentais para que nosso organismo funcione bem e se mantenha saudável.

E vale destacar que muitos destes alimentos possuem um importante papel para a saúde dos nossos olhos. Pois atuam na prevenção de doenças como  a catarata, a degeneração macular relacionada à idade, que é a causa mais comum de perda de visão por idade, e a síndrome dos olhos secos.

 

Confira agora 10 alimentos bons para os olhos.

  1. A cenoura na saúde dos olhos

A cenoura é rica em betacaroteno, a substância responsável por dar a cor alaranjada a esse legume. Uma vez ingerido, o betacaroteno se transforma em vitamina A, da família dos retinoides, e compõe uma das estruturas que formam a retina, fortalecendo-a e sendo essencial para a visão, principalmente em ambientes pouco iluminados e à noite.

Acredita-se, inclusive, que o consumo regular de betacaroteno diminui em 40% o risco de degeneração da mácula.

  1. Folhas verdes

Os vegetais de cor verde-escura contêm luteína e zeaxantina, antioxidantes que protegem os olhos de agressões do sol, de fumaças e da poluição do ar.

Juntas, elas reduzem a chance de desenvolver catarata e também degeneração macular, uma doença provocada pelo envelhecimento, que destrói a mácula — a região de maior nitidez da retina.

  1. Ovos

Os ovos, assim como as folhas verdes, são fontes dos antioxidantes luteína e zeaxantina, assim como também do mineral zinco. Por isso, os ovos reduzem a chance de degeneração macular relacionada à idade, e também de desenvolvimento da catarata, além de contribuir para aumentar a capacidade de alcance visual, ou seja, da “visão para longe”.

  1. Peixes

O ômega-3 e o ômega-6 da gordura dos peixes já são conhecidos como benéficos para o cérebro e o coração, mas eles também são importantes para a saúde dos olhos, já que combatem a formação de radicais livres. As vitaminas A, B, D e E também estão presentes nesses peixes colaborando com a ação dos ácidos graxos.

  1. Azeite extra virgem

O azeite de oliva extravirgem é outra boa fonte de vitamina E, ômega-3 e poli fenóis.

Essa combinação de nutrientes ajuda a prevenir a degeneração macular, uma doença comum em idosos e que pode levar a cegueira.

  1. Frutas cítricas

Ricas em vitamina C, essas frutas são fundamentais na prevenção de degeneração macular, da catarata e da progressão de doenças, como o glaucoma. Laranja, acerola, morango, limão, abacaxi e maracujá são bons exemplos de frutas cítricas para serem adicionados à dieta.

  1. Frutas vermelhas

Frutas como a amora, cereja, morango e framboesa são ricas em antioxidantes chamados antocianinas, um tipo de flavonoide que combate os radicais livres. As frutas roxas, como açaí, e o feijão preto também são ricos nesse flavonoide.

  1. Sementes

Além de reduzir o índice glicêmico da refeição e prevenir diabetes, incrementar sua dieta com sementes e grãos, ajuda na saúde dos olhos. Elas reduzem o desenvolvimento de degeneração macular, devido às altas concentrações de vitamina E, zinco, selênio, ômega-3 e niacina.

  1. Alho

O alho, assim como a cebola, é rico em fósforo, cálcio e vitaminas do complexo B e C. Por isso, ambos são capazes de combater vírus e bactérias, micro-organismos responsáveis por inúmeras doenças.

  1. Alimentos ricos em zinco

Como o zinco é fundamental para o bom funcionamento da retina, alimentos ricos nessa substância também são essenciais para a boa saúde dos olhos. E ele está presente em uma grande diversidade de alimentos, desde frutos do mar, até feijões, sementes de abóbora, fígado, leite e aves como o peru.

 

Vilões da saúde ocular

Todos sabem a importância de manter uma boa saúde ocular, mas devido à pressa ou a falta de costume, deixamos esses cuidados de lado. Pensando nisso, hoje vamos mostrar hábitos que mais atrapalham a nossa saúde ocular:

 

Falta de acompanhamento oftalmológico

Muitas pessoas acham que problemas de visão são percebidos logo que aparecem, e por isso não consultam o oftalmologista regularmente. Porém esse fato não é verdadeiro, muitas doenças oculares não possuem nenhuma sintoma, e apenas são percebidas com exames. Por isso é fundamental o acompanhamento anual com um oftalmologista.

 

Exposição ao sol

Os raios UVA e UVB são tão danosos para os olhos quanto são para a pele, a exposição prolongada e desprotegida em longo prazo aumentam os riscos de desenvolvimento de Catarata e de Degeneração Macular. Portanto os olhos devem ser protegidos com óculos de sol de qualidade e com garantia de proteção.

 

Estresse

O estresse pode causar muitas doenças, inclusive para os olhos. Esse estresse pode ser causado pelo esforço visual ao utilizar óculos de grau desatualizados ou então pelo uso intensivo do computador. Isso acontece, pois ao focar em um objeto a curtas distâncias os olhos fazem ajustes imperceptíveis e incontroláveis para obter o foco. Esses ajustes são realizados por um músculo dentro do olho, e como todo músculo ao se esforçar muito acaba gerando estresse ocular, que pode causar dores de cabeça, ardência nos olhos, dificuldade de foco, sensação de cansaço e visão turva.

 

Sono

Após um longo dia é fundamental ter uma boa noite de sono, para que seu corpo possa se recuperar para o dia seguinte. Já foi comprovado, pessoas que dormem menos de 6 a 8 horas diárias aumentam o risco de ter alterações vasculares na retina, que pode causar problemas de visão e até mesmo a perda definitiva dela.  Além disso, o hábito de dormir pouco compromete a imunidade, o que facilita o aparecimento de conjuntivite.

 

Dieta 

Uma alimentação saudável previne muitas doenças, e inclusive garante uma boa visão. Certas vitaminas e nutrientes tem o poder de retardar a degeneração macular relacionada à idade, problema que pode levar a cegueira.

 

Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia

10 dicas para ter olhos saudáveis

Só quem já enfrentou algum problema ocular sabe do desespero que é não conseguir enxergar bem. Responsáveis pelo sentido da visão, os olhos devem receber mais atenção das pessoas. Por exemplo: quando foi a última vez que você foi ao oftalmologista?

Para manter os olhos saudáveis é fundamentas visitar seu médico ao menos uma vez ao ano e claro, tomar alguns cuidados diariamente. Confira!

  1. Conheça o histórico familiar de saúde. 

Muitas doenças oculares são hereditárias, desde altos graus de miopia até glaucoma ou catarata. Sendo assim, vale a pena conversar com avós, pais e irmãos para saber se enfrentam ou já enfrentaram doenças oculares. Dependendo do que contarem, é importante procurar um oftalmologista e relatar o fato. Afinal, prevenção é palavra-chave na saúde ocular.

  1. Pare de fumar ou nem comece. 

O fumo compromete a circulação sanguínea da retina, reduz a quantidade de antioxidantes presentes no sangue e afeta a visão em qualquer fase da vida. Mesmo quem parou de fumar há quinze ou vinte anos apresenta mais chances de sofrer de doenças oculares do que quem nunca fumou. Portanto, o ideal é nem começar a fumar. Para os fumantes, o ideal é parar o quanto antes, a fim de reduzir as chances de desenvolver catarata, glaucoma e degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

  1. Controle o peso. 

O sobrepeso e a obesidade aumentam o risco de desenvolver várias doenças, entre elas o diabetes – que pode levar à perda da visão no longo prazo. Sendo assim, quem está ganhando peso em excesso deve buscar ajuda médica e adotar uma reeducação alimentar.

  1. Adote uma alimentação saudável. 

Abandone aqueles maus hábitos alimentares, como excesso de fritura, sal, açúcar e carne vermelha, e adote refeições saudáveis. Durante o dia, é importante consumir frutas variadas, legumes, verduras frescas e castanhas. A ideia é aumentar a ingestão de vitaminas, minerais, proteínas saudáveis, ômega-3 e luteína, já que os alimentos antioxidantes oferecem grandes benefícios à saúde ocular, retardando doenças como catarata e degeneração macular.

  1. Use óculos de proteção no esporte e no trabalho. 

Assim como cada prática esportiva tem seus equipamentos de proteção, também os olhos merecem ser protegidos durante o esporte, as atividades de lazer e até mesmo durante alguns serviços. Uma bolada forte nos olhos pode, por exemplo, resultar no descolamento da retina e ser responsável pela perda parcial ou total da visão. Sendo assim, vale a pena avaliar os riscos a que se está submetido e adotar essa medida preventiva.

  1. Ajuste os eletrônicos. 

A luz azul violeta visível tem o potencial de causar danos aos nossos olhos, mesmo tendo menos energia do que a luz ultravioleta. Ela está nos escritórios e escolas (luz espiral), nos aviões, nos dispositivos móveis que acessamos o tempo todo. A exposição continuada à tela do computador, do tablet, leitor digital, telefone celular etc. pode impactar a saúde ocular de muitas formas. O primeiro problema é uma redução significativa na produção de lágrimas – o que provoca o estresse ocular, responsável por imagens com pouca definição, meio sem foco e borradas. Além disso, episódios de dor de cabeça e enxaqueca podem se tornar mais frequentes. Sendo assim, é importante ajustar a luminosidade emitida pelo computador e outros aparelhos eletrônicos, além de adotar lentes com tecnologia para filtrar a luz azul violeta. Esse filtro diminui os riscos da exposição exagerada em ambientes de estudo ou trabalho.

  1. Dê um tempo para seus olhos.

A regra 20/20 é clara: a cada vinte minutos, pare de interagir com a tela do computador/notebook/leitor/celular e olhe durante 20 segundos para algo que esteja longe. Essa medida simples evita o estresse ocular e o ressecamento dos olhos – responsáveis por vários tipos de irritação e desconforto ocular. Além disso, quem passa muito tempo enxergando somente o que está perto, acaba tendo dificuldade para enxergar ao longe – a conhecida miopia.

  1. Lave sempre as mãos. 

As mãos são responsáveis pela propagação de grande parte das doenças. Uma mão contaminada pela conjuntivite, por exemplo, poderá propagar a doença para muitas outras pessoas até três dias depois de ter tocado uma maçaneta ou o corrimão de um ônibus. Daí a importância de lavar sempre bem as mãos ao chegar no trabalho, em casa ou num restaurante. Principalmente, nunca se deve coçar os olhos com as mãos sujas, sob pena de contrair uma infecção ocular.

  1. Cuide bem das lentes de contato.

Além de higienizar diariamente as lentes conforme instruções do fabricante, bem como limpar regularmente a caixa em que elas são armazenadas, jamais vá para a cama sem antes retirá-las com cuidado. Por mais cansada que a pessoa esteja, é preciso garantir um mínimo de asseio antes de ir para a cama. Isto porque durante o sono o nível de lubrificação dos olhos diminui bastante e as lentes podem ressecar junto com o globo ocular e desencadear uma série de problemas, que vão desde uma irritação ocular até uma úlcera ou infecção.

  1. Use bons óculos de sol, sempre. 

A exposição sem proteção aos raios solares pode causar, no mínimo, nove doenças oculares: câncer de pele, câncer da conjuntiva (membrana mucosa e transparente que reveste e protege o globo ocular), pinguécula (espessamento da conjuntiva), pterígio (fibrose da conjuntiva), ceratite (inflamação da córnea), catarata (opacificação do cristalino), degeneração do vítreo (responsável por manter a forma esférica do olho), retinopatia solar (queimadura da retina) e degeneração macular (deterioração da visão central). Para se proteger dessas radiações, todos devem fazer uso diário de protetor solar para pele e óculos de sol com filtro ultravioleta nas lentes. Vale ressaltar que é fundamental que os óculos bloqueiem entre 99% e 100% dos raios UVA e UVB. Ou seja: não adianta optar por modismos ou por óculos piratas que não ofereçam nenhuma garantia nesse sentido.
Fonte: Segs

Transplante de Córnea: uma nova oportunidade ao olhar.

No dia 1º deste mês foi iniciada a campanha Setembro Verde. Uma iniciativa da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais que visa incentivar a doação de órgãos.

No primeiro semestre de 2017 segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos – ABTO foram realizados no Brasil 19.637 transplantes de órgaos e tecidos e destes, 7.821 foram de córnea.

Para quem não sabe, a córnea é a película transparente que recobre a íris e a pupila, e é responsável por uma grande parte do poder de focagem. Ela permite que as imagens do meio externo penetrem no olho e sejam captadas pela retina. Sua aparência transparente e saudável é essencial para uma boa visão, porém, algumas doenças oftalmológicas ou danos nos olhos podem danificar o seu funcionamento, sendo necessário o transplante total ou parcial, para que possamos voltar a enxergar.

Quando a córnea reduz sua transparência e a luz não consegue passar por ela para formar a imagem na retina, o resultado é a perda parcial ou até mesmo total da visão. Para esses casos o paciente poderá recorrer ao transplante de córnea, no qual a córnea doente ou danificada é substituída pela córnea de um doador. Nesse caso vale destacar que não há uma necessidade de haver compatibilidade entre doador e receptor e além disso, problemas como miopia, astigmatismo, catarata, entre outros não inibem o processo de doação.

O procedimento do Transplante de Córnea vem se desenvolvendo e já passou por avanços científicos capazes de reduzir seus riscos e causar menos transtornos durante e após a cirurgia. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, nem todos os paciente com problemas oculares voltam a enxergar com um transplante de córnea. Isso apenas ocorrerá se a cegueira tiver origem de alguma lesão ou doença da córnea, caso contrário, o transplante não é uma opção.

O transplante de córnea é indicado a pacientes que tiveram sua visão afetada por doenças ou danos na córnea que resultem na perda parcial ou total da visão, e que não tenham sido solucionados por medicamentos ou demais tratamentos. Certas situações podem afetar a saúde da córnea e colocar o doente em maior risco. Conheça as situações mais comuns que podem afetar a transparência da córnea:

  • Catarata congênita;
  • Cicatrizes de infecções, como a herpes ocular ou ceratite fúngica;
  • Condições hereditárias, como a distrofia de Fuchs;
  • As raras complicações da cirurgia LASIK;
  • As queimaduras químicas da córnea ou danos causados por uma lesão no olho;
  • Edema excessivo da córnea;
  • Rejeição do enxerto após um transplante de córnea anterior;
  • Descompensação do endotélio da córnea devido a complicações da cirurgia de catarata;
  • Ceratocone;
  • Degeneração marginal pelúcida;
  • Ceratoglobo;
  • Distrofias corneanas como a Distrofia de Fuchs;
  • Ceratopatia Bolhosa;
  • Córnea guttata;
  • Infecções corneanas graves;

Se você quer saber um pouco mais sobre transplantes de córnea não deixe de acompanhar nossos perfis e nosso blog, pois nosso próximo post será sobre como é o processo do transplante de córnea e quais os cuidados no pós-operatório!

Fonte: http://www.abto.org.br

https://www.hospitaldeolhos.com.br/

Equipe Hospital de Olhos Rui Marinho

Diabetes e as doenças oculares

Diabetes e as doenças oculares

A diabetes é uma doença que afeta aproximadamente 14 milhões de brasileiros* e possui 422 milhões de casos* em todo o mundo. Esse número é assustador visto que desde 1976, a quantidade de pessoas que possuem a doença quadruplicou.

Mas o que muita gente não sabe é que a diabetes traz diversas complicações, não somente na hora de comer doces! Algumas delas são relacionadas aos olhos. Doenças oculares como a Retinopatia diabética, a catarata e o Glaucoma, que pode deixar uma pessoa permanentemente cega, podem ser decorrentes da diabetes.

A Retinopatia Diabética atinge a retina, sendo o resultado de rompimento de vasos sanguíneos da região e crescimento de outros, irregulares, que se não tratados com antecedência, podem levar à cegueira. Essa doença afeta 28,5% das pessoas acima de 40 anos com diabetes, mas também aparece em pessoas mais novas. É extremamente importante que pessoas com diabetes tipo I façam exame oftalmológico nos primeiros 5 anos desde o diagnóstico da doença, e pessoas com o tipo II façam o exame na época do diagnóstico. A Retinopatia Diabética é progressiva e o melhor tratamento é a prevenção.

A catarata atinge o cristalino do olho, ou seja, a lente natural do olho humano. A doença é responsável pela diminuição da visão por meio da opacidade total ou parcial do cristalino. A catarata atinge quase metade da população mundial com mais de 65 anos, sendo até cinco vezes mais frequente em pessoas diabéticas, e é considerada a maior causa de cegueira evitável. Na diabetes, quando não controlada, a glicose em excesso presente no sangue é absorvida pelo cristalino e o processo de opacidade começa. É essencial que pessoas com diabetes mantenham os níveis de glicose no sangue controlados, para diminuir as chances de desenvolver a doença. Existe tratamento para a catarata e essa consiste na remoção do cristalino e sua substituição pela Lente intraocular (LIO), cuja qualidade supera as de lentes de óculos e de contato.

Por último, o Glaucoma que é consequência do aumento de pressão intraocular, que em pessoas com diabetes é mais comum devido a complicações da doença. Esse aumento de pressão pode matar células oculares, o que gera pontos pretos na visão. O glaucoma pode começar pela área periférica, mas eventualmente atinge a visão central e os nervos óticos. No momento que os nervos são atingidos e suas células morrem, não há reversão ou melhora do problema. Em diabéticos, é recomendado o cuidado com a pressão sanguínea, para que esta não afete a saúde dos olhos. Para essa doença existe tratamento e este consiste em estabilizar a pressão intraocular, mas deve ser feito com antecedência.

Para esclarecimento de mais dúvidas, consulte o seu oftalmologista.

*Segundo Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS), respectivamente.

Fonte:

http://www.visaolaser.com.br/saude-ocular/doencas-oculares/