HIV / AIDS e a visão

No último dia 1º de Dezembro foi o Dia Mundial de Combate a AIDS. O Ministério de Saúde brasileiro criou um Programa Nacional de DST e AIDS, e tornou-se referência no combate à epidemia, reconhecido para UNAIDS. Um dos motivos foi que, hoje no Brasil, uma lei estabelece que os medicamentos necessários para os portadores do vírus HIV, sejam distribuídos gratuitamente nos hospitais e postos de saúde. Um grande progresso!

 

Dos anos 80 até junho de 2014, registramos no país 757 mil casos de AIDS, e em 2013 mais de 278 mil óbitos em decorrência de doenças que estão associadas ao vírus. Apesar de um excelente progresso em nosso programa, ainda precisamos de muitas ações a serem feitas para prevenção, diagnóstico e acesso ao tratamento.

 

O vírus HIV provoca um colapso em nosso sistema imunológico, e nossos órgãos ficam frágeis à infecções, inclusive em nossos olhos. Portadores em tratamento conseguem controlar a imunidade, e assim evitar várias doenças, mas sabemos que em média 70% dos pacientes que apresentam os sintomas da AIDS apresentam problemas oculares.

 

Veja abaixo alguns das patologias oculares que estão relacionadas à AIDS.

 

Retinopatia associada ao HIV

 

Essa é a mais comum entre os pacientes com AIDS. Manchas brancas como flocos de algodão e pequenas hemorragias são notadas na retina. Diretamente responsável, o vírus HIV, provoca alterações nos vasos sanguíneos na retina.

 

Retinite por CMV

 

Ocorre com cerca 20-30% das pessoas com AIDS em estado avançado, pois a contagem de células T é muito baixa. Dentre os sintomas temos edema da retina, hemorragia e perda de visão. A CMV se não diagnosticada e tratada, pode causar perda severa da visão em pouco tempo. A retinite por CMV não tem cura, mas pode-se retardar com medicação, e é causa de grande morbidade ocular e cegueira em pacientes com AIDS.

 

Descolamento de Retina

Em decorrência da CMV, pode causar o descolamento de retina, ou seja, a retina de desloca ou se separa da parte de trás do olho. O deslocamento da retina é grave, causa perda rápida da visão se não for tratado.

 

Sarcoma de Kaposi

 

Tipo de câncer que atinge as camadas internas dos vasos sanguíneos. Provoca lesões na pele, nos gânglios, fígado, pulmões, por toda extensão da mucosa intestinal e dos brônquios. Outros lugares muito comuns de instalação dessa doença são na parte interna das bochechas, gengivas, lábios, língua, amídalas, olhos e pálpebras. Apesar de muito rara em portadores com sistema imunológico forte, é uma complicação muito comum da AIDS.

 

Carcinoma de células escamosas da conjuntiva

 

Tumor da conjuntiva, que é uma membrana fininha que cobre o branco do nosso olho. Estudos mostram que esta condição está relacionada com a infecção por HIV / AIDS, à exposição prolongada à luz solar e a infecção com o vírus do papiloma humano (HPV). O diagnóstico precoce é extremamente importante, pois existe uma grande variação clínicas dos tumores conjuntivais.

 

Aumento do risco de várias infecções oculares

 

Infecções como vírus do herpes, gonorreia, clamídia, toxoplasmose, cândida, entre outros, são infecções comuns entre os pacientes de AIDS e podem ameaçar a visão necessitando de um tratamento com o oftalmologista.

 

Tratamento das doenças oculares relacionadas ao HIV

 

Vai depender de cada particularidade da patologia. O mais indicado é que o paciente mantenha seu sistema imunológico forte, faça o uso dos retrovirais diminuindo o risco de quaisquer problemas. O portador de HIV deve saber que os olhos são órgãos muito sensíveis ao vírus e o acompanhamento oftalmológico deve se integrar ao tratamento da doença, afim de diagnosticar o quanto antes uma doença ocular.

 

Indica-se que, consulte imediatamente o oftalmologista se o portador de HIV / AIDS perceber alterações na visão como:

– Manchas ou “teias de aranhas” flutuantes;

– Luzes;

– Pontos cegos ou visão turva.

 

Espero que tenham gostado do artigo.

 

Estamos a disposição para qualquer dúvida.

 

Att,
Equipe Hospital de Olhos Rui Marinho